domingo, 12 de junho de 2011

Crítica: Kung Fu Panda 2

Vimos no primeiro Kung Fu Panda (2008), Po (dublado originalmente por Jack Black e aqui no Brasil por Lúcio Mauro Filho) alcançar o seu sonho e se tornar o Dragão Guerreiro das lendas que ele ouvia desde pequeno no Vale da Paz. O seu jeitão desajeitado, os golpes de barriga e a sua enorme fome continuam, mas agora Po já está bem mais ciente de sua força interior, liderando os Cinco Furiosos - Louva-a-Deus (Seth Rogen), Macaco (Jackie Chan), Garça (David Cross),Tigresa (Angelina Jolie) e Víbora (Lucy Liu) - sempre que algo errado acontece por ali. E desta vez a ameaça é muito maior do que o temido leopardo Tai Long.

A nova história começa com uma linda animação, que usa uma técnica diferente das utilizadas no filme original, como se fossem bonecos de sombra. Logo ali descobrimos que Lorde Shen (Gary Oldman) era o príncipe pavão que, ao ouvir a profecia de que seria derrotado por um ser preto e branco, manda matar todos os pandas. Seus pais, desapontados com o ato impensado, o banem do reino. Ele sai de lá jurando voltar para se vingar e dominar o país. Utilizando o avançado recurso dos chineses na exploração da pólvora para fazer os belos fogos de artifício, ele inventa a arma de fogo, mais especificamente, um enorme canhão, que agora coloca em risco a China e o kung fu. Cabe então a Po e seus companheiros derrotá-lo.

A tarefa se provará mais difícil do que qualquer coisa que eles já enfrentaram, pois a cada encontro de Po com o próprio Lorde Shen ou seus asseclas, ele sofre um apagão, que está intimamente ligado ao seu passado. Os flashbacks que saem desses blecautes utilizam uma segunda técnica de animação, mais próxima do 2D tradicional, mas ainda assim cheia de estilo e seguindo a estética asiática de um anime de movimentos econômicos.

Todas as demais cenas são feitas utilizando a computação gráfica mais avançada que existe. E como ela funciona bem aliada ao 3D estereoscópico nas cenas de ação. Se há um filme que mereça um gasto extra para ser visto em 3D este ano, certamente é este Kung Fu Panda 2. Todos os cenários das planícies chinesas que já eram lindos no primeiro longa ficaram ainda mais belos, a água (bastante importante no terceiro ato) está incrivelmente realista e os traços dos animais, embora permaneçam os mesmos, recebem mais detalhes do que o olho consegue captar. É impressionante o tanto que a tecnologia evoluiu em tão pouco tempo, apenas três anos.

Já a história se desenvolve de forma menos brilhante, mas não menos perfeita. Redondinho, o roteiro equilibra cada uma das cenas de ação (e como são belas as coreografias dos animais lutando!) com boas pitadas de humor físico e também verbal, que farão as crianças (e os adultos) gargalharem nas salas. Mas o filme não fica só nas lutas e trapalhadas. Há também um arco dramático, um novo ritual de passagem para Po, que depois de descobrir sua força interior, agora tem de descobrir a paz interior, como lhe ensina o Mestre Shifu (Dustin Hoffman).

E pode se preparar, porque as lágrimas chegarão na conclusão. Não é aquela enxurrada dos desenhos da Pixar, mas o golpe da lágrima está lá e é preciso ser muito durão para resistir. Mas rola, então, o único porém do longa. Por que é que todos os filmes atuais não podem apenas existir um de cada vez? Por que é que tudo tem que ter um gancho para a próxima aventura? Ok, a pergunta é retórica, afinal nós já sabemos a resposta, mas mesmo assim não custa nada demonstrar a indignação... e depois respirar fundo e repetir "paz interior... paz interior..."


Link para essa postagem


1 comentário

Jailson Batista disse...

blog legal, to seguindo, segue os meus:

opinião>>>www.jaylsonbatysta.blogspot.com
poesias>>>www.simplesmentejaja.blogspot.com

Postar um comentário

Leia as Regras:

Todos os comentários são lidos e publicados, se respeitados os critérios;
Não peça parceria por aqui, entre em contato;
Ofensas pessoais, ameaças e xingamentos não são permitidos aqui.